IV Colóquio Internacional "Cinema, Estética e Política"

Memória e distopia em Branco Sai Preto Fica

junho 5th, 2015  |  Published in 2015, Sinopses_2015

por Cláudia Mesquita


Branco-sai-preto-fica

Em nossa leitura de Branco Sai Preto Fica (2014), convocamos a noção de “regime de historicidade” (HARTOG, 2013) para compreender como, em sua articulação de passado, presente e futuro, o segundo longa-metragem de Adirley Queirós não apenas compõe testemunho e elementos do cinema de ficção científica, como confronta o futurismo que norteou o projeto e a construção de Brasília. Entre um futuro imaginado e um passado real traumático, situa-se o tempo dominante na narrativa, o “presente” de Ceilândia. Entre aspas: a atualidade já aparece especulada pela ficção, de modo a tornar mais nítido o desenho distópico. Propomos examinar, a partir do trabalho de encenação, o que essa especulação aporta para uma abordagem crítica da cidade atual, atentando-nos ainda para a historicidade fabricada pela narrativa: como se articulam passado, presente e futuro nesta fábula intrigante em que a memória coletiva de Ceilândia é investigada por um viajante no tempo.

Pesquisa

Sobre o Colóquio

O Colóquio Internacional "Cinema, Estética e Política" é promovido pelo Grupo de Pesquisa "Poéticas da Experiência", vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG, com auxílio da CAPES e da FAPEMIG. O colóquio acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de Junho de 2015, no Cine 104

Realização

Grupo Poéticas da Experiência
CAPES
FAPEMIG