César Guimarães

Resumo: Em Serras da desordem, de Andrea Tonacci e em Corumbiara, de Vincent Carelli, a cena filmada é pertubada por uma fratura que tanto entreabre quanto aproxima mundos sem medida comum, paradoxalmente cindidos e partilhados (na borda ou vizinhança que os separa). Se essa cena primitiva do contato entre índios e não-índios remete aos massacres que os povos indígenas sofreram no passado e ao genocídio que os alcança no presente, buscamos na escritura fílmica os vestígos que testemunham, a um só tempo, a sobrevivência e a desaparição (das formas de vida e das imagens).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *